Foto2.jpg
Um pouco da minha história...


   Meu nome é Roberta e meu grande sonho era ser pediatra. Às vezes, durante a minha infância, eu mudava de ideia e falava que seria professora, pianista, atleta, astronauta e muitas outras coisas, rsrsrs, mas voltava sempre a sonhar em ser "médica de crianças". A minha grande inspiração foi o meu pediatra mesmo, que cuidou de mim e do meu irmão com muito carinho. Minha primeira paciente foi minha tia, como vocês podem ver na foto abaixo :)

   Terminei o segundo grau muito cedo, aos 16 anos, e tão nova já tinha essa responsabilidade, de decidir qual seria a profissão da minha vida. Mas eu tinha um grande objetivo: eu queria mesmo ser médica. Foram dois anos de vestibular e, aos 17 anos, passei para a faculdade de Medicina! Durante o curso, passei por tantas áreas incríveis e confesso ter ficado com muitas dúvidas, mas ao final, meu coração falou mais alto: era pediatra a minha escolha. 

   Sou pediatra especializada em medicina intensiva pediátrica. Eu me formei em 2004 pela Faculdade de Medicina de Valença e fiz minha parte prática ao final da faculdade na Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, em Minas Gerais por 1 ano e meio. Assim que me formei, vim para o Rio de Janeiro, cheguei aqui em fevereiro de 2005. Fiz residência em Pediatria no Hospital Federal Cardoso Fontes com término em 2007, quando então ingressei em outra residência, dessa vez em Medicina Intensiva Pediátrica no Hospital Federal dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro. Terminei essa especialização em 2009 e comecei a trabalhar somente em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) Pediátrica. De 2011 a 2013, eu fiz Mestrado na Universidade Federal Fluminense, em Niterói, e de 2013 a 2018 eu cursei Doutorado na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, onde trabalho.

   Minha linha de pesquisa é sedação, analgesia (tratamento da dor) e delirium em crianças internadas, principalmente em UTI. Comecei a me interessar pelo assunto em 2008, após assistir a uma palestra em Salvador sobre delirium em idosos graves e fiquei bastante intrigada, pois crianças podem ficar graves também e descobri que quase ninguém estuda isso em pediatria! Aqui no Brasil, sou uma das poucas pesquisadoras que estuda delirium em crianças. Sinto-me abençoada por poder contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos pequenos que precisam ficar internados... Viajei bastante mundo afora para congressos e cursos para entender mais sobre o quadro e, quando olho para trás, fico muito orgulhosa do quanto aprendi e tenho contribuído para a Medicina Intensiva Pediátrica brasileira. 

   Sempre quis dar aulas e fazer pesquisas. Minhas experiências na área acadêmica e também trabalhando em UTI e com a publicação de inúmeros textos médicos me estimularam a iniciar os trabalhos em consultório, dessa vez com foco em uma medicina mais preventiva.
   Estou extremamente feliz em poder compartilhar com vocês informações com base em muito estudo e evidências científicas. Esse site foi preparado com muito carinho, para que as famílias possam ler e reler quantas vezes precisarem. Tudo o que está nele é bastante conversado nas nossas consultas. Eu acredito que, quando uma mãe se sente mais segura e está bem orientada quanto aos cuidados com seu bebê, pode aproveitar muito mais seu filho e a maternidade se torna mais leve. Você também pode acompanhar meu trabalho por meio do Instagram @draroberta_pediatra .
   Com carinho,

   Dra. Roberta:)